quarta-feira, junho 23, 2004

Se naquela noite de verão eu não te tivesse visto, e se não te tivesse achado feia, não tinha ido à procura da beleza em ti. Não tinha reparado nos teus lábios sensuais, nos teus olhos falantes, no teu rosto de traços delicados. Era apenas o teu cabelo que me importunava e fulo me deixava! A bebedeira, essa já ia longa e as promessas mais bebedas não podiam ter sido... No dia seguinte troquei-te pela sanita, ó que maldade a minha!
(continua)

sábado, junho 19, 2004

Vocês não sentiram hoje, como cheirava mal atrás da baliza da Itália?
Só podia estar lá o Bufon...

domingo, junho 13, 2004

Frango da Guia

Já que os nossos jogadores passam a vida a fazer publicidade já estava na altura de o Frango da Guia contratar o Ricardo.
Como depois destes dois posts o blogue ficou a cheirar mal, vou obrigatoriamente tomar banho.
Depois d'um post de merd* só me resta mesmo dizer que o melhor que eu tinha a fazer era pedir pra colocar uma pedra e limpando o Ramalho pedir para sair...
Ora então não é que hoje me lembrei que tinha um blogue, e que ainda por cima o último post tinha uma promessa eleitoral.
Em dia de eleições vou divulgar a etimologia da palavra Caloiro.
Para os mais lerditos, quando se entra para a faculdade, os dias ainda são quentes, mas já vão acordando frios. Isto é, quando acordamos para o nosso primeiro dia de praxe deparamo-nos com a merd* do dia todo nublado. Como tal não nos resta outra alternativa se não vestir um casaco em tempo de verão.
Ora chegadinho a Lisboa, o Açoreano, prudente, tava a ser praxado violentamente. Dois otários pegavam-no pelas pernas fazendo com que as suas partes embatessem directamente contra um poste. Ora não é por mal, mas este gajo devia ser paneleiro, digo eu, aqui com as minhas boxers. É que de repente e durante esta praxe as núvens desaparecem e o sol diz um Olá com O maiúsculo. e o Açoreano solta a sua única queixa. "Tá tantee Caloiro".

segunda-feira, maio 31, 2004

Este fim-de-semana fui acampar à Praia da Galé. Parque de Campismo jeitoso.
Grande, com praia, e com uma quantidade e qualidade de serviços invejável.
Na realidade, este é já o 3º ano que passo uns tempos por lá, e confesso que tenciono lá regressar. Não me perguntem porquê. É um estado de alma a comunhão obtida com a natureza chega mesmo a ser tão perfeita que me sinto levado, de certa forma daqui para algum lado. Descanso, paz e sossego, e a cura para a dor incomodativa que me fustigava a perna direita há já três semanas. Finalmente o problema muscular parece estar resolvido.
Logo agora que me acostumava ao ócio inicia-se a recta final de entregas de trabalhos e exames.
Porem tenho já mais uma etimologia preparada.

quarta-feira, maio 26, 2004

Epá amanhã só vou ver cães a passarem nas passadeiras.
O porto foi Cãopião
Desculpem-me loiras, mas isto depois da entrega de mais um entrega de projecto dá-me um ânimo para me rir com tudo o que acho fenomenal!

Num escritório trabalhavam três raparigas com a mesma chefe.
Cada dia notavam que a chefe saía sempre mais cedo.
Um dia todas as raparigas decidiram que, quando a chefe saísse,
elas fariam o mesmo. Afinal, depois de sair, a chefe nunca mais voltava,
nem dizia mais nada, por isso estariam seguras.
E porque é que também não poderiam ir para casa mais cedo?

A morena ficou absolutamente deslumbrada por ir para casa mais cedo.
Pôde tratar um pouco do jardim, passar algum tempo a brincar com o filho, e foi para a cama mais cedo.

A ruiva ficou também deliciada com esse tempinho extra.
Aproveitou para uma curta aula no ginásio antes de se preparar para um encontro ao jantar.

A loira ficou contente por chegar a casa mais cedo e surpreender o marido,
mas quando chegou ao quarto, ouviu vários sons abafados.

Abrindo a porta lenta e silenciosamente,
ficou mortificada por ver o marido com a sua chefe em grande acção na cama!
Suavemente fechou de novo a porta e saiu da casa.

No dia seguinte, durante a pausa para café,
a morena e a ruiva planeavam sair de novo mais cedo,
e perguntaram à loura se ela queria fazer o mesmo.

- Nem pensar! - foi a resposta - Ontem quase fui apanhada!!
Força Mónaco.

1º - Não me venham dizer que sou português porque a primeira cantiga que se vai ouvir se o porto ganhar é filhos da puta SLB.
2º - Tenho o direito de achar o Mourinho óptimo treinador, mas achar que como pessoa arrogante que é não merece nada, muito menos o meu apio.
3º - Se o porto ganhar para o ano vão 3 equipas, e assim o Sporting ainda tem chances de ir à Liga dos Campeões.

sábado, maio 22, 2004

Duas namoradas que tive tinham gosto pela escrita. Ao perguntar se alguma vez tinham escrito sobre mim, responderam que sim. Porém, sempre se recusaram a mostrar-me esses escritos. O único motivo, e que na altura poderia não ser óbvio para mim, era que achavam que a partir do momento em que eu os lesse, elas não iam conseguir escrever genuinamente o que sentiam, e passavam a escrever para mim.
Esses momentos em que elas desabafavam com o papel, não eram mais do que escrever um diário, que talvez pudessem expor ao mundo desde que a relação fosse impessoal.
Este fenómeno que elas tão bem souberam evitar, é um problema da grande parte dos bloguers. Alguns que conheço pessoalmente, falam-me de blogues a toda a hora e todo o instante. Isso de um certo ponto de vista pode não ser mau. O pior é que a conversa passa basicamente, sempre pelo mesmo. Hoje tive x visitas. O tal que me leu o blogue diz que gosta mais disto assado, o outro diz que gosta mais daquele post grelhado. A preocupação já não passa pelo gosto que as pessoas possam ter ao ler o blogue, mas única e exclusivamente que o leiam compulsivamente. A certa altura começo a denotar no discurso dessa pessoa uma enorme fraqueza no que diz respeito à sua criação, e ao seu desabafo. Reparo que a qualidade, essa também diminui. Escreve-se para saciar a sede de leitura dos outros e não por prazer próprio. Debitam-se fórmulas, que na maioria das vezes pouco ou nada têm de interessante.
Escrevo este post não na tentativa de um súbito desaparecimento de blogues que usam formulários, mas sim na tentativa de que os seus criadores tenham prazer no que escrevem; na tentativa, de que usem o sitemeter apenas como uma referência de pouca importância; na tentativa de que estes mesmos escritores mantenham o espírito de comunicação, mas que não percam a genuinidade que os levou a um dia escreverem www.blogger.com e criarem o seu próprio diário.

sábado, maio 15, 2004

Vou voltar a por comentários.
Vou escrever posts do género "Dei um peido" só para poder ter 44 pessoas online, e 94 coments nisto.
A blogosfera dá-me vómitos, e não, não ando doente.

Continua...